domingo, 22 de fevereiro de 2015

Crônica do Dia - Dilma se trumbica - Ruth de Aquino

Quem não conheceu Chacrinha, o Velho Guerreiro, talvez nunca tenha ouvido seu mote mais popular: “Quem não se comunica se trumbica”. Era um visionário. Ele só não previa que pessoas como a nossa presidente, Dilma Rousseff, usassem a comunicação contra si mesmas. Quanto mais a “guerreira” Dilma se comunica, mais se trumbica. Porque a mentira, repetida ad eternum, é uma péssima arma de comunicação, um suicídio político. Não compensa a longo prazo.

Crônicas do Dia - Festa da Carne - Frei Betto

O DIA
Rio - Carnaval significa ‘festa da carne’. Outrora, uma festa religiosa. Às vésperas da Quaresma, diante da perspectiva de passar 40 dias em abstinência de carne, os primeiros cristãos fartavam-se de assados e frituras entre o domingo e a Terça-Feira Gorda. Na quarta, revestiam-se de cinzas, evocando que do pó viemos e para o pó voltaremos, e ingressavam no período em que a Igreja celebra a paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Crônicas do Dia - Samba, ética e carnaval - Arnaldo Bloch

De onde virá o impulso ético capaz de promover a transformação dos desfiles?

Resenhando - A influência africana na moda brasileira é contada em livro

KAMILLE VIOLA

Rio - Foi meio por acaso que criou sua grife de moda étnica: quando defendeu sua monografia no curso de Desenho Industrial da UFRJ, Julia Vidal fez uma roupa que usou na apresentação. Começaram a chover pedidos e ela criou a loja Balaco, hoje Ateliê Julia Vidal.

Artigo de Opinião - ECA não recupera menor infrator e desprotege sociedade - O GLOBO

O Estado do Rio apreende a cada 60 minutos uma criança ou adolescente por infração criminal. Ano passado, o número de jovens infratores levados ao Ministério Público ou ao Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Novo Degase), quase 8,4 mil, triplicou em relação a 2010. Levantamento do Novo Degase mostra que a ligação com o tráfico de drogas é responsável por 41% desses recolhimentos; a prática de roubos e furtos, por outros 41%. Com variações de indicadores e de perfil das infrações, essa é uma realidade que, seguramente, se repete em outros estados.

Te Contei, não ? - Na temporada dos beijos, ela pode estragar a festa


Causada pelo vírus Epstein-Barr, doença é transmitida pela saliva e tem sintomas similares aos de uma gripe forte

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Vale a pena assistir - Carolina Maria de Jesus

video

Crônicas do Dia - A zona do agrião - Luiz Antonio Simas

Rio - Se me pedem para indicar um lugar do Rio de Janeiro que qualquer carioca deve conhecer, minha resposta sai sempre de prima: a região do Centro que engloba a Rua do Ouvidor, a Rua do Rosário e a Rua do Mercado; zona do agrião da cidade que amo. Os livros da Folha Seca, o picadinho do Al-Farabi, a costela da Toca do Baiacu, a roda de choro do Adelos, com o Abel fazendo miséria nas cordas, e o vozeirão do Gabriel da Muda no Samba da Ouvidor, são patrimônios cariocas da maior relevância.

Te Contei, não? - Pais espiões

Rio - O universo paralelo para onde os adolescentes se transportam quando estão conectados já não é mais livre da presença dos pais. Mensagens, postagens em redes sociais e até localização podem ser acompanhadas pelos responsáveis, graças a uma série de aplicativos que rastreiam o aparelho dos filhos. Invasão de privacidade, neurose ou gesto necessário para quem tem o papel de educar? Não há consenso entre os especialistas. 
Há opções para todas as necessidades. Um deles, o ‘TeenSafe’ (‘Adolescente Seguro’), relata aos pais conteúdos das redes sociais, mensagens enviadas e até deletadas, em aplicativos como WhatsApp. Já o ‘MamaBear’ (‘Mamão Urso’) conecta toda família de uma só vez e, além de dados das redes sociais, dá a localização de todos. Os pais podem ainda selecionar palavras consideradas ‘impróprias’ para uso nas postagens dos filhos. E, claro, cada vez que elas forem usadas, os responsáveis ficam sabendo. 


Em ambos os casos é preciso saber login e senha dos filhos para ter acesso aos ‘relatórios’. Há aplicativos gratuitos e é possível baixá-los no Brasil, mas alguns só funcionam em Iphone. Para o psiquiatra Fábio Barbirato, chefe da Psiquiatria Infantil da Santa Casa de Misericórdia, não se trata de invasão de privacidade. Pelo contrário, ele considera dever dos responsáveis acompanhar atividades e amizades dos pequenos, inclusive no meio virtual. “Os pais têm o dever de controlar tudo o que está acontecendo. A criança não tem maturidade para saber o que está fazendo e pode acabar expondo toda família a uma situação mais grave”, avalia.

SEM AMEAÇAS 

Crônicas do Dia - Carnaval, ou me engano ? - Fernando Gabeira

Sinto-me, às vezes, num planeta vizinho próximo o bastante para ouvir os blocos na rua

Neste período de carnaval, sinto-me, às vezes, num planeta vizinho próximo o bastante para ouvir os blocos na rua, numa posição confortável para recordar. Quando menino, ouvi meu tio cantar: “Ai morena, seria o meu maior prazer/ passar um carnaval contigo/ beijar a tua boca/ e depois morrer”.

Crônicas do Dia - Perseguição inconveniente - Flávia Oliveira

A publicidade persistente na internet, em vez de estimular, pode pôr fim a desejos de consumo e produzir aversão às mercadorias

Te Contei, não ? - Polícia investiga venda de água por milícias

RIO - O poço artesiano da dona de casa Geneci Neves Leira, de 65 anos, secou. A explicação que lhe vem à cabeça por ter ficado sem água é uma só: "São os carros-pipas". Com seis metros de profundidade, o poço abastecia o lar de Geneci e foi cavado pelo marido, há 40 anos. Nunca havia deixado o casal na mão. Afinal, a região da Ilha de Guaratiba tem um grande manancial, o Aquífero Guaratiba. Mas, nesses tempos de crise hídrica, sua existência chamou a atenção dos "homens de má-fé", como costumam dizer os moradores dali. Os tais homens, conta Geneci, fizeram perfurações clandestinas profundas, de 70 metros ou mais. O objetivo era claro: comercializar a água. A Polícia Civil apura indícios de que milicianos vêm explorando a venda ilegal na Zona Oeste. Enquanto a investigação não termina, Dona Geneci não consegue conter a emoção ao falar sobre o assunto. O poço que hoje está seco a faz lembrar do marido, falecido há 15 anos.

Te Contei, não ? - A casa de José de Alencar

A Casa


de José de Alencar é uma instituição cultural mantida pela Universidade Federal do Ceará e tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1964. A área da instituição abriga uma casa onde José de Alencar viveu sua infância na então cidade de Messejana, hoje bairro de Fortaleza.

Crônicas do Dia - Somos todos figurantes ? - Dorrit Harazim

Somos todos figurantes?

Para atingir seu potencial máximo, o espetáculo terrorista conta com nossa participação — seja como figurantes movidos pela curiosidade, seja como divulgadores do horror


Artigo de Opinião - O perigo de os rios voadores secarem - Jornal O Globo

Não é por falta de aviso. O alerta de que o desmatamento da Amazônia tem impacto na chuva que cai, a três mil quilômetros, no Sudeste, é repetido há tempos em todas as instâncias em que se discutem temas correlatos. Ambientalistas e pesquisadores batem nessa tecla em congressos, conferências e encontros científicos. Políticos — ainda que por apelo eleitoral — fazem do assunto bandeira de campanha. E a imprensa lhes dá voz para que toda a sociedade se conscientize.


Crônica do Dia - O poço é mais fundo - Merval Pereira


No momento em que o impeachment da presidente Dilma tornou-se tema central do debate político brasileiro, com a própria presidente falando em ter forças para “reagir ao golpismo” e o ex-presidente Lula afirmando que os adversários querem impedir que Dilma cumpra seu mandato, uma pesquisa do Datafolha refletindo o sentimento predominante entre os cidadãos brasileiros coloca mais lenha na fogueira.

Crônica do Dia - Pinga ni mim - Carla Rocha

Pinga ni mim’

A culpa não é de São Pedro, não é de São Paulo (trocadilho, por favor). A culpa é nossa, que há muito já deveríamos estar preocupados com a estiagem prolongada que tem afetado o nível de água dos quatro reservatórios que abastecem o Rio. Ainda no ano passado, ficamos sabendo que o volume de todo o complexo do Paraíba do Sul havia caído drasticamente a índices nunca atingidos em décadas.

Artigo de Opinião - Escola ou balcão de negócios - Frei Betto


Em muitos países a Educação se tornou uma prisão da mente, onde as disciplinas visam ao mercado

O DIA

Te Contei, não ? - Título da Beija - Flor pode virar CPI

Título da Beija-Flor pode virar CPI

Polêmica sobre doações pode fazer escola da Baixada voltar às discussões da Câmara dos Vereadores

LEANDRO RESENDE

Te Contei, não ? - O "ecohato" que previu a seca

Há anos, biólogo Mário Moscatelli alerta para o risco de uma crise no abastecimento de água


FRANCISCO ALVES FILHO

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Te Contei, não ? - Memórias do Canecão

RIO — Losia Borges do Nascimento; solteira; bailarina; 1,69m; 58kg; 19 anos; fez cinema; manequim 42; sapato 37. Ao lado de Roberto Carlos e Caetano Veloso, de Chico Buarque e Amália Rodrigues, a moça, personagem anônima, é parte da história do Canecão que emerge dos 22 baús do arquivo da casa de shows, recém-entregue aos cuidados do Instituto Cultural Cravo Albin. Fotos de momentos históricos do local, áudios de shows e programas dos espetáculos, roteiros anotados e registros de naturezas diversas - desde cardápios (nos quais se pode acompanhar a inflação pela variação do preço da coxinha) até cartazes anunciando atrações, passando por peças curiosas como a pasta "Ficha das mulatas - Réveillon 1977", onde estão os dados de Losia que abrem esta reportagem.

Te Contei, não ? - Inteligência Artificial - É preciso temê - la ?

RIO - O tema já foi bastante explorado pelo cinema, mas, desde o fim do ano passado, algumas das mentes mais brilhantes do nosso tempo iniciaram um debate público sobre os riscos de a humanidade ser exterminada pela inteligência artificial. Elon Musk, fundador do PayPal, SpaceX e Tesla Motors; Bill Gates, fundador da Microsoft; e o físico Stephen Hawking manifestaram seus temores sobre o avanço descontrolado da tecnologia, mas nem todos partilham dessa preocupação. Em entrevista ao GLOBO, Eric Horvitz, diretor do laboratório da Microsoft Research em Redmond e ex-presidente da Associação para o Avanço da Inteligência Artificial (AAAI, na sigla em inglês), afirma que o cenário existe, mas é pouco provável que se torne realidade.

Artigo de Opinião - Web e leis na internet

Hoje, o mundo cibernético é terra sem lei. A situação só vai mudar com a criação de regras internacionais e padronização

O DIA

Artigo de Opinião - Chico não bate em criança

Jorge Bergoglio escolheu o nome Francisco pela doçura do santo que amava a natureza e protegia os animais

O DIA

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Te Contei, não ? - Racismo a gente vê na Globo

Sempre que a vinheta carnavalesca da Globo é exibida na televisão, o Brasil reafirma sua herança racista e misógina. Ainda mais preocupante é que poucos parecem se incomodar com o racismo explícito


Por Jarid Arraes na Revista Fórum


No Brasil, impera a ilusão de uma convivência racial harmoniosa, segundo a qual pessoas de diferentes cores e miscigenações conviveriam na mais perfeita paz, sem que suas características físicas jamais se tornassem alvo de discriminação. No entanto, esse discurso cai por terra facilmente: o racismo brasileiro está vivo e, de fato, é tão bem aceito na sociedade que questioná-lo soa como um ultraje. Um exemplo dessa realidade é a existência do Globeleza, quadro da Rede Globo que exibe mulheres negras – chamadas por eles de “mulatas” – no período do carnaval.
Não é difícil compreender onde mora o racismo do Globeleza: a Rede Globo seleciona somente mulheres negras para que representem a sexualidade do Carnaval, que, como sabemos, está relacionada ao sexo considerado “promíscuo”; ou seja, ano após ano, a mulher negra é associada a um objeto sexual descartável, que representa uma sexualidade compulsiva, sem que possua qualquer valor fora desse papel. Essa é uma mentalidade racista que existe desde os tempos de escravidão, quando mulheres negras escravizadas eram estupradas por homens brancos, que mantinham seus casamentos com mulheres brancas, mas usavam as negras de forma abusiva e violenta.
Sempre que a vinheta carnavalesca da Globo é exibida na televisão, o Brasil reafirma sua herança racista e misógina. Ainda mais preocupante é que poucos parecem se incomodar com o racismo explícito. É possível até ouvir posicionamentos moralistas, de pessoas que repudiam o quadro por seu conteúdo de nudez, mas dificilmente denunciarão a problemática racial e os prejuízos que a Globo vem causando às mulheres negras todos os anos.
As críticas feitas contra o Globeleza não são recentes. Tanto o movimento negro quanto o feminista já elaboraram teorias e protestos de longa data no constante esforço de eliminá-lo. Os estereótipos racistas e machistas, afinal, se repetem bastante. Toda a polêmica envolvendo o seriado Sexo e as Nêgas, de Miguel Falabella, é mais um exemplo do padrão racista da televisão brasileira, tão fortemente utilizado pela Rede Globo.
Eliane Oliveira, mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e membro do Núcleo de Estudos Interdisciplinares Afro-Brasileiros (NEIAB), é categórica em sua análise: o Globeleza e a série Sexo e as Nêgas repetem os mesmos papéis destinados às mulheres negras. “Uma permanência da relação com o sexual, com o exótico. É racismo e machismo misturado, me parece que não conseguem perceber nós negras para além da cama, um estigma colonial que não desaparece, que não é superado, os sinhôs e sinhás achando que a preta está ali para servir, a seu bel prazer”.

Engana-se profundamente quem pensa que a posição de Globeleza só traz frutos positivos para a mulher escolhida. O caso de Nayara Justino, escolhida como Globeleza por voto popular pela programação da Globo, escancara a perversidade por trás desse quadro: Nayara foi eleita pelos telespectadores e foi coroada como musa do carnaval, mas logo passou a receber ataques e ofensas racistas, principalmente pela internet. O discurso repetido discriminava Nayara por ter a pele muito escura e não possuir traços faciais considerados delicados.
Por causa do racismo do público, a Rede Globo empurrou Nayara para a geladeira e fez de tudo para escondê-la, o que a levou a cair em depressão. Para 2015, a Globo elegeu uma nova “mulata”: a paulista Erika Moura, que tem a pele mais clara e a aparência física mais próxima do padrão negro que a emissora permite ser mostrado em sua telinha. “A Erika é linda e pelo que sei, a seleção foi feita dentro das escolas de samba. A Nayara também é linda e foi escolhida pelo voto popular. A meu ver, o problema está na padronização ou estereotipia da mulher negra aceitável para a tela da TV. Ou seja, tem negra que pode e negra que não pode. Alguém com os traços marcadamente negros, tom de pele mais escuro, lábios grossos e nariz redondo não passa pelo crivo racista do público brasileiro”, explica Oliveira.
Segundo Oliveira, tanto Erika quanto Nayara são mulheres negras e lindas, sem que uma seja mais ou menos bela que a outra – o problema é a tentativa da emissora de embranquecer a beleza negra para aproximá-la do padrão europeu. “Basta ver como anunciam a nova escolhida: ‘uma morena linda’”, exemplifica. Ela ainda explica que o padrão racial da Globo é o padrão racial dos brasileiros, que parecem não entender que 50% da população do país é negra. “A impressão que tenho é de que nós não existimos como telespectadores nem como consumidores, não precisamos nos ver representados, pois apenas o desejo, o gosto, o dinheiro do branco é que conta. Vivemos essa falácia de branqueamento há séculos e não conseguimos nos livrar desse ranço, o colorismo é a herança que parece não ter fim”, lamenta.
A situação é complexa e difícil, sobretudo quando colocamos na berlinda a saúde psicológica de mulheres como Nayara Justino. Em poucos meses, a mulher que foi aclamada e aplaudida pelo público pode se tornar o alvo de chacota do país, mas ao final ainda terá de agradecer pela oportunidade concedida. Essa é uma lógica cruel, mas naturalizada. No entanto, é fundamental não se deixar ludibriar, porque não existe lado positivo no racismo e na objetificação sexual. O espaço concedido, quando construído sobre preconceito racial, pode desmoronar muito rapidamente. Mas como resolver o problema? Como lutar contra a gigante midiática e a relação de dependência que a emissora impõe aos artistas negros?
“Penso que a relação ‘Mulher negra e Carnaval’ precisa ser problematizada, pois para além de ser uma festa cultural do Brasil, o Carnaval é também uma festa comercial e a ‘mulata tipo exportação’ é mais um item a ser comercializado”, afirma Oliveira. A mulata, nesse contexto, seria a personificação da exotificação e objetificação da mulher negra. “Amo as passistas, o samba no pé, o cuidado com o corpo e a dedicação à comunidade, mas questiono por que essas mulheres não têm o mesmo destaque midiático que têm as globais que ocupam os postos de destaque nos desfiles, por exemplo”, contesta.
E as brancas?
Algumas pessoas pontuam que, apesar das duras críticas ao Globeleza, concursos com mulheres brancas, como o Miss Universo, não sofrem os mesmos protestos. Mas isso não passa de um engano, baseado na mais pura ignorância. O movimento feminista aponta, sim, o sexismo existente em concursos de beleza voltados para mulheres brancas. De fato, o Globeleza parece ser a única disputa entre negras que recebe algum destaque, já que em todas as outras competições femininas as mulheres brancas são absoluta maioria. Até mesmo na Bahia, o estado brasileiro com a maior população negra, já houve polêmicas devido à ausência de candidatas negras na seleção para o Miss Brasil.
É importante lembrar que diversas feministas negras, tais como Eliane Oliveira, não enxergam a inclusão das mulheres negras como uma solução definitiva para o problema. “Não encaro concursos de Misses de forma positiva em nenhum contexto”, salienta. “Acho esse tipo de coisa uma aberração. Qual a explicação racional para mulheres disputarem entre si quem é mais bonita? Meu feminismo não me deixa enxergar lógica numa situação em que mulheres batalhem entre si por um posto que é totalmente ilusório; beleza é subjetiva, o gosto é socialmente construído.”
Mas a exclusão das mulheres negras de concursos como o Miss Brasil tem ramificações e consequências; são resultados que explicam o Globeleza, já que essa é uma das únicas oportunidades para que as mulheres negras possam ser avaliadas como belas, ainda que de forma machista e distorcida. “O Globeleza, na minha opinião, é algo que já deveria ter desaparecido da televisão há muito tempo. Mas, ao invés disso, por termos no Brasil uma mídia seletiva e uma sociedade racista, esse é um dos poucos espaços de destaque que a mulher negra ainda consegue disputar na TV. Entendo que muitas moças almejem tal posto; afinal, quais as outras possibilidades que elas possuem na TV, ser atriz e fazer papeis subalternos?”, analisa. O fato é que falta representatividade para as mulheres negras na televisão e, mesmo quando aparecem, são colocadas em posições inferiorizadas, sem paridade ou protagonismo.
O caminho rumo à paridade é longo, mas algumas estratégias simples, porém incisivas, são sugeridas pela intelectual, que acredita que o Globeleza deve acabar. “Por qual motivo a Globo tem que ter uma musa do carnaval? Penso que quem deve ter musa são as agremiações que trabalham o ano todo para isso, e que, provavelmente, devem ter critérios de escolha que não apenas a beleza física”, considera. “O papel da emissora se resumiria a dar destaque às moças, mas por que será que não é assim? Podem me dizer que a escolhida para tal posto também acaba se beneficiando, mas acho que se não houver outros espaços para onde ela possa crescer, do estrelato para o anonimato é uma queda vertiginosa. Basta ver o que aconteceu com a belíssima Valéria Valenssa: depois de mais de dez anos como Globeleza, desapareceu da mídia e, pelo que li, entrou em depressão por ter perdido o posto de forma abrupta. Não era atriz, vivia do título, quando perdeu o posto teve que lidar com a distância dos holofotes. Sinceramente, não vejo nada de benéfico nessa situação.”
O carnaval está chegando; a Globeleza samba na televisão brasileira e mais uma vez aquelas que lutam contra o racismo recebem a hostilidade dos que se recusam a questionar os padrões. No Brasil, infelizmente o racismo machista ainda é considerado entretenimento. Na tela da TV, no meio desse povo, racismo a gente vê na Globo.


(Foto de capa: Reprodução/TV Globo)
9/2/2015Geledés Instituto da Mulher Negra


Leia a matéria completa em: Racismo a gente vê na Globo - Geledés
Follow us: @geledes on Twitter | geledes on Facebook

domingo, 8 de fevereiro de 2015

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Crônica do Dia - De quem é o Rio Carioca ?

Abusca pela paternidade do Rio Carioca seria cômica, se não fosse trágica. Autoridades municipais e estaduais não se entendem. O secretário estadual do Ambiente, então, assumiu a liderança pela articulação de uma solução.

Artigo de Opinião - É preciso evitar a intolerância religiosa no Brasil - Jornal O Globo


O radicalismo religioso está na raiz de boa parte das más notícias que, infelizmente, abriram 2015. O mundo se chocou no primeiro mês do ano com o atentado ao “Charlie Hebdo”, em Paris; a execução de reféns do Estado Islâmico; e a destruição da cidade de Baga, na Nigéria — mais uma ação do Boko Haram, na qual teriam morrido duas mil pessoas. São casos de extrema violência que brasileiros repudiam da mesma forma que americanos e europeus.


Personalidade - Salgado Maranhão

Analfabeto até os 15 anos, poeta vem recebendo atenção crescente no exterior e lançará em breve um livro traduzido para o japonês. Nordestino, ama o Rio, onde vive desde 1973. Linguagem mistura o urbano com a vivência do interior

POR 

Crônica do Dia - Família Degrada - Flávia Oliveira

Juiz dá aula de ética em sentença sobre morte de filho de Cissa Guimarães. Lição serve a todos que encobrem ilícitos da cria

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Crônica do Dia - O que não estão contando pra você ...

Em sua eterna luta para jogar mais sombras onde já não existe luz, a imprensa brasileira está ignorando o fato mais importante do ano na economia mundial: a dramática queda do preço do petróleo.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Te contei, não ? - Uma volta pelos sebos ....


Crônica do Dia - Ela , a incorruptível - Martha Medeiros

Terminamos 2014 sentindo vergonha do país e, ao mesmo tempo, com esperança. 

Te Contei, não ? - Ai meus Deuses !!!











Revista Mundo Estranho 
Edição 105
Novembro de 2010 

Artigo de Opinião - Intolerância à brasileira - Flávia Oliveira



Enquanto se comove com assassinatos na França, país minimiza cotidiano de preconceito religioso, presente até na escola pública

Artigo de Opinião - Triste quadro da Educação - Frei Betto



Fissurados nas redes sociais, muitos reduzem a linguagem aos seus signos elementares e preferem ver o turbilhão de imagens a ler a cadência narrativa

O DIA